Comunidade se despede de Nuncia Santoro de Constantino

Por:
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

A professora Nuncia Santoro de Constantino morreu nesta quarta-feira (5). Uma das historiadoras brasileiras mais conhecidas nos círculos acadêmicos da Itália.

Grande pesquisadora da imigração e cultura italiana, manteve, no currículo, livros publicados, artigos, palestras e um número imenso de prêmios e títulos pelo trabalho incansável.

Graduada em História pela PUCRS, na qual atuava como professora e pesquisadora CNPq, fez doutorado em História Social na Universidade de São Paulo. Sob o ponto de vista teórico-metodológico, desenvolveu estudos sobre a historiografia italiana e sobre a historiografia da imigração, metodologia da História Oral , relatos de viajantes como fonte à historiografia.

Por serviços prestados à cultura italiana, foi agraciada com o título de Cavaliere pela Repubblica Italiana, em 2006. Foi também membro do Instituto Histórico de São Leopoldo e do Instituto Histórico e Geográfico do Rio Grande do Sul.

O velório será no Cemitério São Miguel e Almas, em Porto Alegre, a partir das 19h. O seputalmento acontece na quinta-feira (6), às 10h.

Alguns dos livros editados e organizados pela professora Nuncia

 História, Literatura e Mito: viajantes europeus na América do Sul (2013)
Relatos de viagem como fontes à História (2012)
Garibaldi, História e Literatura: perspectivas internacionais (2011)
O Italiano da Esquina: imigrantes meridionais na sociedade porto-alegrense (2008)
De Pioneiros a Cidadãos: imagens da imigração italiana no Rio Grande do Sul  (2005)
Caixas no porão:: vozes, imagens, lembranças (2004)
Gli Italiani nelle città: l’immigrazione italiana nelle città brasiliane (2001)
Italiano na Cidade: imigração itálica nas cidades brasileiras (2000)

Algumas mensagens, pelas redes sociais, de amigos e admiradores

Claudia Musa Fay, historiadora: “Triste muito triste pela perda da amiga, parceira, professora querida Núncia, você vai estar eternamente na nossa memória e em nossos corações”.

Luiza Iotti, historiadora: “A dor que eu sinto é imensa: perdi uma grande amiga, minha confidente, minha eterna orientadora. Uma parte de mim vai com ela”.

Natália Souza Ramos, professora. “As conversas com D. Nuncia estavam entre as melhores. Sentiremos saudades”.



ComentÁrios